Um dos muitos títulos que a Virgem Maria recebe é o de Nossa Senhora Desatadora dos Nós, simbolizando o auxílio e a capacidade que ela tem de desatar os nós na nossa vida. Ao contrário de outras denominações suas, esta não surgiu através de uma aparição ou milagre, mas através da arte e a sua história envolve uma fé fascinante. História Sua história começa por volta do ano 1700, na cidade de Augsburg, Alemanha. Lá, o pároco da capela de St. Peter encomendou ao pintor Johann Schmitdner um quadro de Nossa Senhora. Sendo este último muito católico, aceitou a tarefa com muita alegria e passou a buscar nas escrituras inspiração para o seu trabalho.

Nas palavras de Santo Irineu, encontrou a frase que seria a chave para toda a criação do quadro, que é "Eva atou o nó da desgraça para o gênero humano, Maria por sua obediência o desatou". Além disso, para construir a imagem da santa recorreu ao trecho de Ap 12,1 que diz: “Apareceu um grande sinal no céu: uma mulher revestida do sol, a lua debaixo de seus pés, e na cabeça uma coroa de doze estrelas”. Imagem: Pinterest. E assim surgiu a imagem daquela que seria denominada Nossa Senhora Desatadora dos Nós. Nela, a santa está cercada de anjos que lhe passam uma fita cheia de nós que, após a sua intervenção, são desfeitos.

Essa simbologia representa os problemas e empecilhos da vida que, quando entregues nas mãos de Nossa Senhora, se desfazem. Mais do que uma imagem, é um chamado à fé e devoção. A imagem original permanece na capela de Augsburg, que hoje é cuidada por jesuítas, mas a devoção ligada a Nossa Senhora Desatadora dos Nós se espalhou pelo mundo todo. Existem vários relatos relacionados a graças alcançadas e sua novena é considerada infalível. E é claro que não poderia faltar essa homenagem na nossa coleção de santos! Feita em madeira de reflorestamento e adornada com delicadas lâminas de acrílico colorido, ela é a peça perfeita para quem deseja presentear ou decorar com fé e amor.

Acesse www.patriciamaranhao.com e confira essa e outras peças cheias de fé e devoção.

Referência: https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-nossa-senhora-desatadora-dos-nos/35/102/